joão roberto ripper, sérgio carvalho… studium e punctum com fôlego!!

João Roberto Ripper
Um caso de amor…
Acredito que o fotógrafo João Roberto Ripper não suporta mais tantos amores na vida… Mas quem manda ele ter a fotografia como missão e fazer tanta coisa boa pelo metiér e consequentemente pelas pessoas???!!! Quem possui bom juízo tem respeito, orgulho por quem faz este tipo de traballho.
Ana Lira, fotógrafa pernambucana – mais uma apaixonada  pelo mestre das Imagens Humanas – me deu mais um motivo para a minha admiração por ele ascender: o livro “Retrato Escravo“, lançado ano passado, publicado pela Organização Internacional do Trabalho, com fotos dele e do piauiense não menos competente Sérgio Carvalho. Ganhei de presente no Natal, que chegou em minha casa quase que pelo Papai Noel, com direito à cartinha linda escrita em guardanapo. Aninha me deu este maravilhoso presente com a incumbência dada a ela de repassar “a pessoas que pudessem desenvolver trabalhos e discussões a partir dele“.
Já faz quase 4 meses que vejo este livro na minha estante e nas minhas mãos e me tomo sem fôlego para escrever algo sobre ele. Evitei ao máximo me debruçar sobre cada foto. Quase uma covardia, assumo… Mas é que tem sido difícil lidar com o conhecimento a respeito de certas situações que ainda possam existir no país e no mundo, como se vivéssemos num regime gutural de comunicação e ação ainda… Infelizmente…
Desde que vi a exposição de Ripper na Caixa Cultural em São Paulo em 2009 – quando pude conhecer a história da forte-frágil Olga, mulher que ficou cega no trabalho escravo em carvoarias, esposa de João Anselmo – tive a plena certeza de que o trabalho deste fotógrafo era mais do que admirável. É como se sentíssemos Ripper entrando no peito de cada fotografado, mas de maneira muito sincera e fiel, com todo o respeito devido. 
E como bem diz no livro o jornalista e cientista político, Leonardo Sakamoto: (vale ver o excelente blog do Leonardo) “As fotos aqui mostradas não são imagens, mas um chamado à ação“.
Pois vamos à ação, tomando-o como exemplo… Tenho ido aos poucos, mas com certeza este livro é um bom detonador de atitude perante certos temas ainda recorrentes nas regiões do mundo.
E, segundo o semiólogo Roland Barthes, ele reune o punctum e o studium numa só foto… (leiam sobre este assunto no excelente resumo escrito em 2006 pelo fotógrafo doutor em Artes, Ronaldo Entler).
O livro é mais do que belo e socialmente responsável… É um sacolejador de almas! 
Sérgio Carvalho
Anúncios
Esse post foi publicado em ana lira, caixa cultural SP, carvoarias, escravo, joão roberto ripper, leonardo sakamoto, oit, olga, punctum, retrato escravo, roland barthes, ronaldo entler, sérgio carvalho, studium. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s